• image
  • image
  • image
  • image
  • image
  • image
  • image
  • image
  • image
  • image
  • image

Causas e Consequências

Causas

Ela acontece porque muitos pensam que melhor forma de resolver um conflito é com recurso a violência e que os homens são mais fortes e superiores às mulheres. É assim que, muitas vezes, os maridos, namorados, pais, irmãos, chefes e outros homens acham, que têm o direito de impor suas vontades às mulheres.

Embora muitas vezes o álcool, drogas ilegais e ciúmes sejam apontados como factores que desencadeiam a violência contra a mulher, na raiz de tudo está a maneira como a sociedade dá mais valor ao papel masculino, o que por sua vez se reflecte na forma de educar os meninos e as meninas. Enquanto os meninos são incentivados a valorizar a agressividade, a força física, a acção, a dominação e a satisfazer seus desejos, inclusive os sexuais, as meninas são valorizadas pela beleza, delicadeza, sedução, submissão, dependência, sentimentalismo, passividade e o cuidado com os outros.

Consequências

No plano individual, produz lesões, mutilações, deformações, depressão, doenças crónicas, apatia, baixo auto-estima, distúrbios do sono; e, mesmo, em última instância pode conduzir à morte da vítima;

No plano social, ela leva, quase sempre, à delinquência juvenil, ao comportamento violento de crianças e adolescentes, vítimas e testemunhas; ao abandono da casa e da família que é trocada pela vida nas ruas; à depressão e baixo rendimento escolar e ao suicídio.

No plano económico, leva a um recrudescer da dependência em relação ao agressor. Na medida em que a vítima pode não ter características de empregabilidade (competências profissionais) Pois, o agressor proíbe as vitímas de trabalhar “fora de casa”, interfere no processo das vitímas de ter e manter um emprego e ameaça-as, constantemente, de que se o abandonar ficará sem recursos financeiros.

Porque muitas mulheres sofrem caladas?

Estima-se que mais da metade das mulheres agredidas sofrem caladas e não pedem ajuda. Para elas é difícil sair daquela situação. Muitas sentem vergonha ou dependem emocionalmente ou financeiramente do agressor; outras acham que “foi só daquela vez” ou que, no fundo, são elas as culpadas pela violência; outras não falam nada por causa dos filhos, porque têm medo de serem agredidas outra vez ou porque não querem prejudicar o agressor, que pode ser preso ou condenado socialmente.

Muitas se sentem sozinhas, com medo e vergonha. Quando pedem ajuda, em geral, é para outra mulher da família, como a mãe ou irmã, ou então alguma amiga próxima, vizinha ou colega de trabalho. Já o número de mulheres que recorrem à polícia é ainda menor. Isso acontece principalmente no caso de ameaça com arma de fogo, depois de espancamentos com fracturas ou cortes e ameaças aos filhos.